Total de visualizações de página

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Guia para ser um babaca de qualidade em tempos de greve nas universidades


Lição n° 1 - Foque exclusivamente sua análise nos "prejudicados". Enfatize como será ruim atrasar as aulas e, se puder, aumente dizendo que não poderá viajar no final do ano por causa da greve.

Lição n° 2 - Ignore as condições de trabalho e estudo existentes nas IFES. Se você é aluno de uma delas e estuda num campus com boa infraestrutura, finja que todos os seus colegas de universidade compartilham do mesmo espaço de estudo que você. Se estuda num campus ou instituto onde as coisas não são tão boas assim, diga que seus colegas e professores estão reclamando de boca cheia. Mas sempre forje um escândalo quando for ao banheiro e não tiver sabão para lavar as mãos, ou papel pra limpar o cu.

Lição n° 3 - Lembre que todo professor universitário "ganha bem". No entanto, não leve em consideração o grau de instrução da categoria. Nem sequer ouse lembrar que há outras profissões cujos profissionais não necessitaram de tanto estudo quanto os professores das universidades federais e que recebem salários bem maiores que o da categoria.

Lição n° 4 - Se você é um aluno de uma IFES e reclama de alguns professores "falcatruas", fale deles como se estes representassem todo o grupo de trabalhadores. Ignore o fato de que há pessoas extremamente comprometidas com seus trabalhos e que reclamam mais reconhecimento por parte do governo federal.

Lição n° 5 - Se você não é aluno de uma IFES e não está muito interessado em saber sobre a situação das universidades públicas, mas no entanto, não quer soar desatualizado, diga que a causa é em vão e que só fazem isso pra ferrar os alunos.

Lição n° 6 - Se for um aluno babaca de uma faculdade particular, diga que foi por causa de possíveis greves que não foi estudar em uma universidade pública. Jamais mencione que não passou no vestibular, e tente se gabar, porque afinal, sua universidade não tem esse tipo de problema.

Lição n° 7 - Se é aluno de uma universidade em greve, mas não concorda com ela, não perca seu tempo discutindo suas opiniões com alguns estudantes. Afinal, esses pseudo-revolucionários não merecem a sua atenção.

Lição n° 8 - Se não fizer parte de uma IFES ou outra universidade pública em greve, mas tiver o mesmo preconceito explicitado no item acima, ignore o fato de que esses estudantes muitas vezes precisam trabalhar para sustentar seus estudos. Lembre sempre dos filhinhos de papais que lá estão. Sempre esqueça do fato de que lá estão grandes seres pensantes, futuros profissionais de extrema capacidade intelectual (apesar das dificuldades nas condições de ensino de muitos deles).

Lição n° 9 - Se por acaso tomar conhecimento de algo errado feito por algum(ns) membro(s) do movimento em favor da greve, faça questão de mostrar que todo o movimento é assim.

Lição n° 10 - Esqueça que greve é direito do trabalhador. Mostre que estes só estão preocupados com seus próprios umbigos, e que se estivessem realmente preocupados com o futuro do país estariam TRABALHANDO, pois é assim que um país cresce.

Lição n° 11 - Esqueça que, antes de qualquer greve, há uma tentativa de diálogo e negociação. Mostre sempre o quão inconsequente é esse tipo de mobilização, ainda que você não tenha conhecimento de nenhum outro que tenha dado resultados.

Lição n° 12 - Não fale absolutamente nada sobre plano de carreira, ou condições para aposentadoria. Afinal, é bom salientar que o professor só tá ali por causa de dinheiro e ele já "ganha bem pra caralho".
Lição n° 13 - Se por algum acidente se meter em um debate sobre a greve e tiver que propor alguma ideia para a melhoria da educação, grite logo: "PRIVATIZAÇÃO", é a saída mais rápida e eficaz. Afinal, privatizar faz tudo dar certo.

Lição n° 14 - Desqualifique qualquer ação como meramente ideológica, como se a sua desqualificação não fosse.

Lição n° 15 - Se for professor, estiver no topo da carreira e além disso ganhar dinheiro com outras atividades (algumas privadas utilizando inclusive o nome da instituição de ensino publica em que trabalha), use dos argumentos mais hipócritas para justificar a não entrada na greve.

18 comentários:

  1. Babaca foi o cara que se deu o trabalho de escrever isso. Parabéns, otário.

    ResponderExcluir
  2. Interessantíssimo criticar como 'Anônimo'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais interessante ainda é criticar como 'Pikachu'

      Excluir
    2. ahuahauhauhauhauhauhuauahua 'pikachu' foi boa

      Excluir
    3. "Larissa" é bem expositivo...

      Excluir
  3. genial! esse anonimo ta eh brincando ne ? eh mto dificil imaginar q ele naum entendeu q o texto foi ironico

    ResponderExcluir
  4. é um bando de vagabundo q não quer trabalhar

    ResponderExcluir
  5. Retrato perfeito do que eu vejo todos os dias na universidade onde estudo.

    ResponderExcluir
  6. Você estuda na Anhanguera?

    ResponderExcluir
  7. Brilhante! Ótimo texto :)

    ResponderExcluir
  8. Quanta merda, heim amigo? Lavagem cerebral pegou forte...uahsuahs

    ResponderExcluir
  9. Tem um anônimo aí que tá seguindo o manual. Parabéns, champz!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  11. Brasil = VAMOS FAZER GREVE!

    Excelente. Ainda mais em órgãos públicos onde ninguém é demitido, emprego vitalício, só falta o cargo passar de pai pra filho.
    Já para empresas é diferente... Logo as multinacionais caem fora e muitas famílias ficarão desempregadas.

    ResponderExcluir
  12. Nossa! ótimo texto ;)

    agora já tem algo interessante pra fazer nessa greve do caramba!

    ResponderExcluir
  13. Lição nº 16: Considere qualquer opinião contrária à sua como sendo a de um babaca. Afinal, nós estamos certos e todos que são contra estão apenas a serviço do governo e não querem uma melhora na educação tanto quanto nós.

    ResponderExcluir
  14. Provavelmente essa pessoa que comentou sobre o emprego público "vitalício" tentou diversos concursos públicos, não passou pra nenhum e foi trabalhar numa multinacional. Hahahahaha

    ResponderExcluir